Seu browser não tem suporte a javascript!

Dia 13 de junho, quarta-feira

Um barco com fuzis foi interceptado na Urca, bairro da Zona Sul do Rio, e três pessoas foram presas. O armamento teria sido usado nos intensos tiroteios da semana passada no bairro do Leme. A ação foi conduzida por policiais da 27ª Delegacia de Polícia. No barco, além dia fuzis, havia pistolas, granadas e munições.

Moradores da Urca mostram sérias preocupações com a segurança do bairro e organizam reuniões para definirem sobre segurança privada. A Urca é um bairro de classe média alta que conheceu sua fragilidade com a fuga de bandidos pela mata vindo do Leme. O bairro tem uma única entrada e saída, mas é todo margeado pela Bahia de Guanabara e pela mata. 

O Morro do Borel, na Tijuca, também viveu momentos de forte tiroteio na manhã de ontem. E mais uma vez a explicação é a terrível guerra entre facções rivais do tráfico de drogas.

Um dos mais graves resultados dos tiroteios que estão ocorrendo com frequência nas comunidades de Copacabana, Leme e Tijuca e a desvalorização dos imóveis e o esvaziamento do comércio. Os preços de venda e aluguel despencaram e lojas comerciais não são alugadas. Este triste fenômeno ocorreu nos anos 90 no bairro de Santa Teresa, que nunca mais conseguiu se recuperar.

Foi confirmado o fim da Unidade Polícia Pacificadora (UPP) da Cidade de Deus e os policiais que estavam trabalhando lá vão passar por um treinamento especial para compor a Companhia Destacada da comunidade. A confirmação foi feita pelo porta voz da Polícia Militar, major Braz, durante a inauguração Companhia Destacada da Vila Kennedy, a comunidade onde os trabalhos da intervenção federal se iniciaram.

Em Acari, bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro, o policial civil Elkery de Ramos Lemos foi morto com um tiro na cabeça, durante uma operação na favela. Ele foi o terceiro policial civil morto este ano no estado do Rio, que também já teve 56 policiais militares, dois agentes penitenciários e um militar do Exército mortos.

Amanhã completam três meses do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes. O caso segue sem solução. A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro votará amanhã projeto de lei que cria o Dia de Luta contra o Genocídio da Mulher Negra, Dia Marielle Franco.

O chefe do Tráfico de Drogas do Conjunto do Amarelinho, conjunto habitacional situado na Avenida Brasil, na cidade do Rio, foi preso na Bahia, encontrado por agentes em um condomínio de luxo em Salvador. A prisão foi realizada pelos agentes da 39ª Delegacia de Polícia de Pavuna. Rogério Santos do Nascimento, conhecido como Crânio, tinha mandados de prisão e o Disque-Denúncia oferecia recompensa de R$ 1mil por informações sobre seu paradeiro. O traficante é um dos mais ativos e influentes chefes do Terceiro Comando Puro.

Até amanhã, 

Equipe do Olerj